Sindicato dos Metalúrgicos de Ribeirão Preto participa de encontro sobre empregos no setor sucroenergético

Na segunda-feira, 14 de abril, Edmilson Domingues, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Ribeirão Preto e Região e Coordenador Regional da Força Sindical Ribeirão Preto, participou de encontro de discussão da atual situação do setor sucroenergético, na cidade de Piracicaba, com a presença do Secretario de Emprego e Relações do Trabalho, Tadeu Morais, e o Secretario Adjunto Eufrozino Pereira, lideranças sindicais, representantes dos empregadores no setor e além do prefeito de Piracicaba, Gabriel Ferrato e secretários municipais.

O encontro teve como principal objetivo a discussão da atual conjuntura e a elaboração de um documento constante das preocupações de todos os setores, e principalmente pela parte que atinge os trabalhadores e trabalhadoras, explica Edmilson. “Falamos ao Secretario Tadeu sobre os desdobramentos que a atual situação delicada que as usinas e destilarias vem sofrendo, e atingindo todas os segmentos da sociedade, principalmente as famílias que dependem das vagas de trabalho oferecidas pelo setor”, conta.

O Secretário Tadeu Morais aconselhou a confecção de um documento com os levantamentos e apontamentos, e que lideraria um encontro com o Governador Geraldo Alckmin. “Nosso Secretário Tadeu é sensível à causa, uniremos força com o Governador e levaremos nossas preocupações e alertas ao Governo Federal”, disse Edmilson.

O setor sucroenérgetico enfrenta uma crise, inclusive com fechamento de unidades e demissão em massa. A atual situação vem derivada da atual política de de combustíveis e aumento da juros para controle da inflação e da falta de política de incentivos ficais para garantia de empregos.

Fonte: Ismael Colosi

Manifestantes protestam no Rio de Janeiro em defesa da Petrobrás

A Força Sindical do Rio de Janeiro e a Força Sindical Nacional promoveram um ato em defesa da Petrobras em frente ao edifício sede da empresa, no centro do Rio, nesta segunda-feira, 14 de abril. O ato quis demonstrar a preocupação da central sindical com o sucateamento da empresa, um patrimônio do povo brasileiro.

O presidente da Força RJ e diretor de finanças da CNTM, Francisco Dal Prá, lembra que a Petrobras foi fundada no governo Vargas e é patrimônio nacional. “Estamos muito preocupados com o sucateamento que vem sendo anunciado. Além disto, milhares de trabalhadores, incentivados por propaganda governamental, usaram seu FGTS para comprar ações da empresa, que sempre foi símbolo de eficiência e solidez. Não podemos permitir que esta imagem se perca e que o investimento dos trabalhadores tenha sido em vão”, disse Dal Prá.

A Petrobras tem sido alvo de denúncias que abalaram sua situação financeira e sua credibilidade. “Cobramos apuração das denúncias”, disse Miguel Torres, presidente da Força Sindical e da CNTM.

“Foi ótima iniciativa da Força Sindical fazer este ato contra ações de corrupção na Petrobras. É preciso punir os envolvidos!”, disse o deputado federal Paulinho da Força.

Fonte:CNTM

José Luiz Ribeiro participa 1ª Reunião Regional da Com-Emprego em Piracicaba

O Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba, representado pelo seu presidente, José Luiz Ribeiro, participou na quinta-feira, 10 de abril, da 1ª Reunião da Comissão Estadual de São Paulo, realizada em Piracicaba. Foi a primeira vez que a SERT (Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho) promove o encontro no interior.

A Comissão Estadual de Emprego é organizada de forma tripartite e igualitária, com representantes do Poder Público Estadual, dos Trabalhadores e dos Empregadores.

Representantes de 25 municípios da região de Piracicaba participaram da reunião, que tem como objetivo estabelecer e acompanhar de políticas públicas na área de trabalho, emprego e renda, discutindo e compartilhando experiências positiva. O evento também contou com a presença de Gabriel Ferrato, prefeito de Piracicaba; Maria José, Diretora Regional da SERT em Piracicaba, João Cimeni, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos e membro da Com-emprego de Piracicaba; dentre outras lideranças políticas, sindicais e empresariais do município.

Em seu discurso, José Luiz Ribeiro, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba, destacou a importância dos investimentos da SERT para promover a qualificação profissional e também de ações para estimular a geração de emprego nos municípios.

“A reunião Comissão de Emprego da SERT, em Piracicaba, demonstra também a importância e o potencial econômico de nossa região”, frisou José Luiz.

Fonte: Ricardo Flaitt

8ª Marcha reúne 40 mil trabalhadores em São Paulo

Cerca de 40 mil trabalhadores, de diferentes categorias ligadas à Força Sindical e às centrais CTB, CGTB, CUT, Nova Central e UGT, participaram nesta quarta-feira, 9 de abril, em São Paulo, da 8ª Marcha da Classe Trabalhadora (“Por mais direitos e qualidade de vida”).

Entre as categorias, os metalúrgicos de todo o País, liderados por dirigentes de entidades filiadas à CNTM, tiveram expressiva presença no ato.

A Marcha foi  para pressionar o governo federal e o Congresso Nacional a negociar a pauta trabalhista: 

• redução da jornada para 40 horas semanais, sem redução de salário
• fim do Fator Previdenciário
• contra o projeto de lei que amplia a terceirização
• fim das demissões imotivadas
• correção da tabela do Imposto de Renda
• valorização do salário mínimo
• aumento digno para as aposentadorias
• reforma agrária
• melhorias urbanas
• investimentos em saúde, segurança e educação
• trabalho decente
• valorização do setor produtivo nacional
• entre outros itens.

“Nossas reivindicações foram aprovadas pelo movimento sindical unificado em 2010 e até agora não foram atendidas. É preciso, então, fazer mais pressão e conquistar apoio de toda a sociedade para a nossa pauta que é de amplo alcance social, progressista e democrática”, disse Miguel Torres, presidente da CNTM e da Força Sindical.

A Marcha começou às 8 horas na Praça da Sé, seguiu pela Avenida Brigadeiro e terminou no vão livre do Masp, na avenida Paulista, por volta das 13 horas. 

João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, coordenou o ato pela Central. “Destaco nesta histórica manifestação a unidade das centrais sindicais e a grande mobilização dos trabalhadores em apoio à nossa pauta trabalhista”, disse Juruna.

Para Luiz Carlos Miranda, secretário de relações públicas da CNTM e presidente da Força Sindical de Minas Gerais, este tipo de manifestação é necessário para garantirmos a retomada do desenvolvimento do Brasil, com distribuição de renda e cidadania.

Todos os manifestantes enalteceram o desenvolvimento permanente da democracia no País e gritaram Ditadura, nunca mais! 

Fonte:CNTM


Sindicato de Arthur Nogueira forma mais uma turma em cursos profissionalizantes

O Sindicato dos Metalúrgicos de Arthur Nogueira formou mais trabalhadoras e trabalhadores com cursos profissionalizantes em empresas de sua base na semana passada. Com carga horária variável de 80 à 120 horas, mais 40 companheiros (as) da Metallix e da Aurilux receberam seus certificados de conclusão de curso de Operador de Empilhadeira e Brigada de Incêndio. Os cursos promovidos pelo Sindicato são permanentes e novas turmas já estão sendo formadas para início ainda esse mês. Para o Companheiro Vital, presidente do Sindicato, "Esse é mais um trabalho do sindicato oferecido aos nossos sócios de forma totalmente gratuita e sabemos que é mais uma oportunidade de oferecermos aos metalúrgicos de nossa base a possibilidade de se qualificarem e consegurem melhorias em sua vida profissional".

Pelo Avanço da Democracia !

O Golpe Militar de 1964 completa seus 50 anos e é preciso que façamos algumas reflexões sobre isso. Em primeiro lugar ressaltar o valor daqueles que lutaram contra os desmandos da Ditadura e, em conseqüência, perderam sua liberdade,  perseguições, violência física e até mesmo a vida. Em seguida é preciso refletir sobre as entidades que se posicionaram contrárias ao militarismo e  também tiveram seus princípios democráticos mutilados. Assim foi com os Sindicatos. Por possuírem em sua essência a liberdade de expressão, a representação democrática dos trabalhadores e a defesa de seus interesses, o sindicalismo brasileiro foi uma das primeiras vítimas do regime militar instaurado em 1964.
Com suas sedes invadidas, seus dirigentes perseguidos, presos e cassados, nossos sindicatos passaram por um longo período de intervenções e de obscuridade política. No entanto, jamais perderam sua capacidade de resistirem e de manterem latente a vontade dos trabalhadores pela liberdade e organização e manifestação pelos seus direitos. Assim foi desde o primeiro momento em que nossa sociedade passou a viver sob o controle da tirania daqueles que possuíam o poder econômico e o poder das armas.
Passamos mais de 20 anos sob o regime do medo e da opressão. Por todo esse período estivemos à frente da resistência ao regime militar e presentes na retomada da democracia em nosso país. Assim foi pelo Movimento da Anistia e Contra a Carestia no final dos anos 70; assim continuou na luta pelas “Diretas Já !” nos anos 80 e por todos os movimentos de redemocratização. Fomos às ruas, paramos as fábricas, nos solidarizamos com outras entidades na busca da Liberdade e a conquistamos a duras penas.Portanto, a principal reflexão que talvez devamos fazer seja essa: “É preciso manter de todas as formas a democracia !”; é preciso que cuidemos dela o tempo inteiro para que possamos garantir nossos direitos individuais e coletivos. É preciso não esquecer jamais que somente através do difícil processo democrático de diálogo e de respeito às diferenças é que vamos continuar avançando enquanto sociedade civil e enquanto indivíduos.

Claudio Magrão - Presidente

Bragança Paulista: Diretoria do Sindicato termina segunda fase de Curso de Formação

No último dia 29, sábado, os diretores do Sindicato dos Metalúrgicos de Bragança Paulista concluíram mais um curso de formação sindical. A atividade teve sua primeira fase no dia 25, onde foram abordadas questões relacionadas à História do Movimento Sindical no Brasil, noções de economia e sociedade. No dia 29, além de questões políticas e do funcionamento do Estado, os participantes também puderam trabalhar questões ligadas à Liderança. O curso faz parte do Programa de Capacitação Sindical da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo e, para Valter Brajão, Presidente do Sindicato, " Foi mais um trabalho de grande valia para nossa diretoria, na medida em que quanto mais capacitarmos nossa diretoria, mehor será nosso trabalho de representação dos trabalhadores". O curso aconteceu na sub-sede do Sindicato em Atibaia.

CNTM promove curso de capacitação em E-Group

A Coordenação Estratégica de Redes Sindicais (CEReS) da Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos promoveu no dia 25 de março de 2014, terça-feira, na sede da Força Sindical, em São Paulo, a primeira etapa do Curso de Capacitação em E-Group, que é uma ferramenta digital que possibilita dinamizar o intercâmbio de informações entre os membros de cada Rede Sindical coordenada pela CNTM.

Rede Sindical é, em suma, um instrumento de fortalecimento da ação sindical dos trabalhadores de uma mesma empresa multinacional ou transnacional nas diversas plantas ao redor do mundo, na defesa de melhores condições de vida e de trabalho.

O primeiro E-Group terá como foco principal os temas e informações dos setores automotivo e siderúrgico. O curso foi ministrado por Fernando Pazzini, diretor de desenvolvimento e designer da Jaws Digital, e Walker Franson, programador da Jaws, e contou com a presença da vice-presidenta da CNTM, Mônica Veloso. “Foi mais um passo importante para a consolidação da política de Redes Sindicais aprovada pela diretoria da CNTM”, disse Mônica.

Também participaram desta primeira etapa do curso: Carlos Albino (1º secretário de finanças da CNTM e presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Catalão), Maria Rosângela Lopes (presidenta da Federação dos Metalúrgicos de Minas Gerais e do Sindicato dos Metalúrgicos do Vale do Sapucaí), Everaldo dos Santos (diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco), Roberto Anacleto (Dieese) e Thiago Cândido Ferreira (Secretário-Geral do Sindicato dos Metalúrgicos de Catalão).

Os participantes também debateram e aprovaram as logomarcas da CEReS e do E-Group da CNTM, que em breve serão divulgadas neste espaço com mais informações sobre o trabalho

Por Val Gomes
Assessor de Comunicação CNTM

 

OS ARGUMENTOS QUE VALEM SÃO OS NOSSOS !

Claudio Magrão - Presidente da Federação

"Não existe Campanha Salarial fácil ! Por melhor ou pior que ande a economia, patrões sempre querem ganhar mais e nós, trabalhadores, também queremos. Nesse quadro natural do que representa uma parte e outra do sistema  econômico em que vivemos é preciso ponderar , ao menos, dois aspectos: o primeiro, jamais aceitarmos a choradeira dos patrões em aumentar salários daqueles que produzem sua riqueza e, o segundo, considerarmos que um trabalhador sem um poder aquisitivo forte, terá sua capacidade de consumo atingida o que, sobretudo, atingirá toda a política econômica do país.

Por outro lado, é preciso levar em conta o que o governo vem fazendo em termos de política econômica. Sobretudo no que diz respeito aos Gastos Públicos e  internos.  Nos últimos anos temos visto situações bem peculiares entre setores do capital e do trabalho se unindo na busca de reforçar a economia do  país. Mas, até isso, joga tudo por terra se o Governo, a última parte deste tripé, não fizer sua obrigação de adotar políticas que atendam a todos os setores.

Neste sentido, infelizmente, o Governo  tem deixado a desejar em ouvir os trabalhadores. Isso é fato diante da longa agenda e benfeitorias governamental com o setor empresarial e a distância de interlocução com o movimento sindical, com os trabalhadores. E então colocam-se as questões: a quem serve esse governo ? O Brasil continua sendo um país em que os empresários devem ser tutelados o tempo inteiro pelo Estado ? Nós, trabalhadores, devemos ser sempre os que abrem mão de sua parcela na riqueza do país ? E, pior, sequer  temos participação nas discussões dos rumos disso tudo ?

As respostas podem ser muitas. Mas de uma coisa temos a mais plena certeza: estamos preparados e unidos; estamos organizados e possuímos tanto conhecimento e saber quanto qualquer outro setor da sociedade e, por isso, vamos partir para mais uma Campanha Salarial que garanta aos trabalhadores mais do que o mínimo de termos aumento real de salário.  Possuímos a razão e os argumentos que garantirão não apenas o destino de nossas negociações . Muito mais do que isso, garantiremos sob quaisquer cisrcunstâncias a dignidade e o avanço da cidadania dos trabalhadores, aqueles que geram a manutenção e a riqueza de tudo que compõe o quadro econômico e social do país".

FEDERAÇÃO DOS METALÚRGICOS LANÇA CARTILHA SOBRE REDES SINDICAIS

Na busca de aprofundar seus trabalhos e de seus filiados sobre a questão das Redes Sindicais, a Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo lançou sua cartilha sobre o tema, após discutí-lo em reunião de diretoria e aprovar uma série de atividades junto aos sindicatos que envolvem a questão das Redes.

Além do material impresso, estão previstas atividades de formação para os dirigentes da própria Federação e para aqueles sindicatos que já possuem algum trabalho dentro de empresas que façam parte de alguma Rede ou, ainda, aqueles que possuem empresas multinacionais ou transnacionais em suas bases.

Para Claudio Magrão, presidente da Federação, "Este trabalho é de fundamental importância para que possamos estar preparados no enfrentamento sindical no contexto de uma economia globalizada em que uma mesma empresa está instalada em várias partes do país e do mundo. Buscarmos a união dos trabalhadores de tais empresas significa somarmos forças e garantirmos maiores conquistas para os mesmos".